Grupo de policiais é barrado em condomínio do bairro Coqueiral de Itaparica

04/06/2008

Depois que sete policiais – cinco militares e dois civis – tentaram entrar no condomínio Itaparica Mar, a Terceira Etapa, em Coqueiral de Itaparica, Vila Velha, e se desentenderam com o porteiro e o síndico, que exigiam a identificação dos agentes, as corregedorias das Polícias Civil e Militar devem ser acionadas. O episódio aconteceu nesta segunda-feira (02) quando o grupo pretendia entregar uma intimação a um morador.

O síndico da Terceira Etapa, Manuel Pinheiro Filho, entende que os policiais desrespeitaram as regras previstas em convenção do condomínio. “Eles chegam sem identificação e não gostam de se identificar. Só querem dar voz de prisão para os outros. Não são todos, mas alguns procedem mal sim”, afirma o síndico.

De acordo com as normas da Terceira Etapa, viaturas e demais veículos de serviço público, podem entrar sem necessidade de identificação, desde que estejam caracterizados.

“Como vamos saber se é mesmo da polícia? Outro dia prenderam aí gente que se fazia passar até por delegado federal sem ser”, explica o síndico. “Não estamos aqui para impedir o trabalho de ninguém, mas em um carro comum tem que sair e se identificar, como todo mundo, até os moradores fazem isso”, complementa. Os policiais não teriam se identificado da maneira correta. O porteiro não conseguiu visualizar a carteira funcional e se recusou a abrir o portão.

A viatura ficou parada em frente à portaria de veículos do condomínio, o que teria impedido a entrada dos próprios moradores. Para resolver a confusão o síndico ligou para o Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes-190) e solicitou ajuda da Polícia Militar. Mas a atitude do policial que foi ao local não agradou. “O mais interessante é que o policial que veio se fez de porteiro. Entrou aqui, e simplesmente abriu o portão. Uma atitude totalmente abusiva”, avalia Pinheiro.

Ele diz ainda que o condomínio possui sistema de videomonitoramento e que enviará as imagens para a corregedoria da PM. “Já que o estado não nos dá segurança, nós fazemos a nossa”, afirmou. Na Terceira Etapa moram cerca de cinco mil pessoas.

Mesmo procedimento

Em outros condomínios do bairro, como o Atlântico Sul, a Primeira Etapa, o procedimento é o mesmo. De acordo com o síndico, Agnelo de Magalhães Júnior, viaturas da polícia, dos bombeiros, ambulâncias, dentre outros, têm entrada livre, desde que caracterizadas. Policiais em viaturas descaracterizadas precisam se identificar. “Não precisam fazer cadastro como as outras pessoas, mas têm que mostrar identificação como policiais”, finaliza o síndico.

PM diz que não houve excesso

A Polícia Militar afirmou nesta manhã, por meio de nota que, após levantamentos preliminares do fato, entende que não houve excesso por parte dos militares que atenderam a ocorrência, "até porque a atuação da PM foi no sentido de solucionar o conflito".

Mas, se os responsáveis pelo condomínio entenderem que houve conduta indevida ou transgressão por parte dos policiais, devem procurar a corregedoria da corporação.

 

Fonte: Gazeta Online 

Comentários


Seja o primeiro a comentar.
Comentar

Entre com Facebook

Não tem Facebook?

Entre com seu e-mail e senha